Verificamos números de Jairo Jorge (PDT) sobre sua gestão como prefeito de Canoas

Primeiro a lançar a pré-candidatura ao governo do Rio Grande do Sul para as eleições de 2018, Jairo Jorge (PDT) tem como principal argumento de campanha o desempenho de sua gestão como prefeito de Canoas, quarto maior município gaúcho. Jairo governou a cidade da Região Metropolitana por dois mandatos, de 2009 a 2016, quando ainda era filiado ao PT.

Por Emerson dos Santos, Mariana Barcellos e Natalia Henkin*

Logo após anunciar que pretendia concorrer ao governo estadual, Jairo Jorge concedeu entrevista ao portal Sul21, em 5 de outubro de 2017. Checamos algumas de suas afirmações em sua primeira entrevista como pré-candidato a governador pelo PDT:

“O que eu posso deixar da minha gestão? Fui considerado como uma das prefeituras mais transparentes do RS pelo Ministério Público Federal e pela Controladoria-Geral da União. Nós estávamos entre as 70 cidades mais transparentes do Brasil”.

O pré-candidato baseou sua declaração em dados de dois Rankings de Transparência Nacional, um do Ministério Público Federal (MPF) e outro da Controladoria-Geral da União (CGU). Com base nas avaliações do MPF de 2015 e 2016, dois últimos anos do mandato de Jairo Jorge na prefeitura de Canoas, a cidade ocupava as primeiras posições, porém, mais municípios tinham a mesma pontuação. Em 2016, Canoas dividia o primeiro lugar com outras 126 cidades.

Quando prefeito em Canoas, Jairo assinou um decreto regulamentando o acesso às informações do município, em 2013. Na pesquisa do MPF de 2015, a cidade tinha 9,3 pontos no ranking e dividia a 23ª posição com outras oito cidades. No ano seguinte, atingiu a nota máxima (10), assim como outras 126 cidades.

No ranking da CGU de 2015, Canoas ficou na 32ª posição com outras três cidades, avaliadas em 9,72 também de uma pontuação máxima de 10. No ano seguinte, o município manteve os 9,72 pontos, mas caiu para o 77º lugar, pois outras cidades atingiram pontuações mais altas. Junto com Canoas, outras 20 cidades brasileiras também ocupavam a 77ª posição.

Assim, consideramos a declaração sem contexto porque, embora Canoas estivesse entre as 70 primeiras posições do ranking do MPF, é impreciso afirmar que é uma das 70 cidades mais transparentes, pois havia 126 municípios empatados somente na primeira colocação. Além disso, no ranking da CGU, o município ficou na 77ª posição em 2016.

Após ser comunicada sobre o resultado da checagem, a assessoria de Jairo Jorge respondeu que “em relação ao ranking do MPF, a nota de Canoas passou de 9,3 para 10, atendendo a todos os requisitos. Quanto à CGU, Canoas manteve a mesma nota de 9,72 nos dois anos pesquisados, o que não significa que a prefeitura de Canoas perdeu em transparência, mas sim que outras cidades cresceram”. A assessoria disse ainda: “Concordamos que Canoas está na posição 77, mas o processo de divulgação de dados e transparência da Prefeitura se manteve. Por isso, Jairo Jorge fala que Canoas é uma das prefeituras mais transparentes do RS”.

“Mas, veja, eu deixo a arrecadação da minha cidade de 450 milhões para 1,7 bilhão. Eu mais que tripliquei o orçamento.”

Exagerado

Ao afirmar que triplicou o orçamento de Canoas quando prefeito, o pedetista compara valores referentes apenas à arrecadação total do último ano de sua gestão com o último ano da gestão de seu antecessor, Marcos Antônio Ronchetti (2001 a 2008). Mas se considerarmos o desempenho global dos dois governos, o crescimento foi semelhante nas duas gestões.

O percentual de crescimento da arrecadação do primeiro ao último ano do mandato de Jairo Jorge foi de 167,87%, que representa apenas 12,68% a mais do que o crescimento da arrecadação ao longo da gestão de Ronchetti (155,19%).

jairocanoas

Além disso, de acordo com informações disponíveis no portal do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul, a prefeitura de Canoas teve uma arrecadação total de R$1,279 bilhão no último ano do mandato de Jairo Jorge, R$ 421 milhões a menos do que o afirmado pelo pré-candidato na entrevista.

Em resposta ao Filtro, a assessoria do pré-candidato indicou como fonte uma matéria do Diário de Canoas, que apresenta uma tabela-resumo dos dados financeiros de Canoas de 2008 até 2015. Os dados mostram que a receita total de Canoas passou de R$ 511 milhões para R$ 1,3 bilhão, o que não corresponde ao triplo da arrecadação.

Ao ser comunicada sobre a conclusão da nossa checagem, a assessoria argumentou que “Jairo Jorge assumiu o mandato com a arrecadação de R$ 448.530.214,13 (2008) e deixou o cargo com arrecadação de R$ 1.279.748.478,12 (2016), o que representa um incremento de 285% aos cofres públicos da Prefeitura. Além disso, a previsão para 2017 era de arrecadação de R$1,7 bilhão. Reconhecemos que o dado não é preciso, mas não há exagero, pois Jairo Jorge praticamente triplicou a arrecadação do ano em que assumiu ao ano em que deixou o posto. Os números apontam que o ex-prefeito melhorou as contas da Prefeitura de Canoas”.

Veja aqui as checagens dos nove pré-candidatos ao governo do RS feitas no FiltroLab


*Conteúdo gerado durante curso de extensão “Laboratório de Fact-checking”, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Relacionados