Mateus Bandeira (Novo) afirmou que RS nunca cresceu 5% ao ano, mas índice foi atingido nos anos 70. O candidato também derrapou ao apontar a capacidade de treinamento da academia de polícia, entretanto, está correto ao afirmar que pequenos hospitais são insustentáveis financeiramente.

Naira Hofmeister, Bruno Moraes e Taís Seibt, do Filtro Fact-Checking

Candidato do Novo ao Palácio Piratini, Mateus Bandeira defendeu uma revisão no Sistema Único de Saúde (SUS), em sua participação no Painel Eleitoral da Associação Riograndense de Imprensa (ARI), em 31 de agosto. Segundo ele, repasses do Ministério da Saúde seriam insuficientes para manutenção de serviços em hospitais com menos de 30 leitos.

Bruno Moraes e Taís Seibt, do Filtro Fact-checking

Na busca pela reeleição, José Ivo Sartori (MDB) tem na segurança pública um de seus principais desafios para convencer os gaúchos de que ele deve continuar no Palácio Piratini. Somente a taxa de homicídios cresceu 47,7% no Rio Grande do Sul entre 2011 e 2016, de acordo com o Atlas da Violência 2018, do Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea).

Taís Seibt, do Filtro Fact-checking

Sabatinado pelas jornalistas Alexandra Zanela (Padrinho Conteúdo) e Débora Cademartori (Zero Hora) no Painel Eleitoral ARI, o governador José Ivo Sartori (MDB), que concorre à reeleição no Rio Grande do Sul, falou sobre a dificuldade de equilibrar os gastos do estado com a folha de pagamento e destacou medidas de seu governo na segurança pública. Mas se equivocou ao dizer que chamou todos os concursados da área.

Taís Seibt, do Filtro Fact-checking

Tendo como candidato a vice o delegado Ranolfo Vieira Júnior (PTB), que foi chefe da Polícia Civil no RS de 2011 a 2014, no governo Tarso Genro (PT), Eduardo Leite (PSDB) fez referência ao aumento na taxa de elucidação de homicídios no estado no período em que o colega de chapa esteve à frente da polícia. Com a criação de delegacias especializadas na investigação de homicídios, a taxa de elucidação desses crimes passou de 20% para mais de 70% de 2013 para 2014. 

Taís Seibt e Bruno Moraes, do Filtro Fact-checking

Ao participar do Painel Eleitoral 2018, promovido pela Associação Riograndense de Imprensa (ARI), no dia 7 de agosto, o candidato do PSTU ao governo gaúcho, Júlio Flores, disse que, se eleito, pretende acabar com as isenções fiscais a grandes empresas para recuperar as contas públicas. Além disso, ele também mencionou “o dinheiro da suspensão do pagamento da dívida” e “a retomada dos recursos da Lei Kandir” como indutores do equilíbrio de caixa.

Taís Seibt, do Filtro Fact-checking