Sartori omite contexto ao falar sobre redução de déficit nas contas do RS

Candidato à reeleição pelo MDB afirma, em propaganda na TV, que seu governo reduziu o rombo nas contas públicas de R$ 25 bilhões para R$ 8 bilhões. Faltou dizer que o valor era uma projeção do déficit ao final de seu mandato.

Beta Redação*

A crise financeira do Rio Grande do Sul é um dos assuntos mais citados pelo candidato à reeleição para o governo do estado, José Ivo Sartori (MDB). O atual governador costuma exaltar as medidas tomadas em sua gestão para reequilibrar as contas públicas.

“Já diminuímos o déficit de R$ 25 bilhões para R$ 8 bilhões”

O Truco nos Estados – projeto de checagem de fatos da Agência Pública, feito no Rio Grande do Sul em parceria com o Filtro Fact-checking – verificou a declaração de Sartori, veiculada em seu programa eleitoral na TV, e constatou que falta contexto para a compreensão correta do dado.

Na propaganda, o candidato afirma que, desde que assumiu o governo, em janeiro de 2015, diminuiu o déficit de R$ 25 bilhões para R$ 8 bilhões. A assessoria de imprensa da campanha de Sartori indicou como fonte a Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz).

A Sefaz remeteu à reportagem duas apresentações em Power Point, que apontam, com gráficos e tabelas, a situação das finanças do estado antes e durante o governo do emedebista. Os documentos mostram que os R$ 25 bilhões eram, na verdade, uma estimativa de déficit – e não um rombo real – para o período entre 2015 e 2018.

A projeção foi calculada em um cenário de crise, em que o estado apresentava um déficit crescente desde 2011, se aproximando de R$ 1 bilhão em 2013 e 2014. Para 2015, primeiro ano de governo de Sartori, estimava-se um déficit de R$ 5,4 bilhões. Para os anos seguintes, os valores projetados eram R$ 6,069 bilhões (2016), R$ 6,610 bilhões (2017) e R$ 7,103 bilhões (2018), totalizando R$ 25,182 bilhões.

Em 2015, o rombo foi de R$ 4,762 bilhões, caindo para R$ 325 milhões em 2016. No ano seguinte, o déficit foi de R$ 1,524 bilhão, somando R$ 6,611 bilhões de 2015 a 2017. No início de outubro de 2018, o Portal da Transparência mostra um déficit de R$ 2,938 bilhões. Se o ano fechar com este montante, a soma chegaria a R$ 9,546 bilhões – mais do que os R$ 8 bi citados por Sartori na propaganda, mas bem menos do que os R$ 25 bi projetados no início do governo. Como ainda há entradas e gastos pendentes até o fim de dezembro, esse valor ainda deve se alterar.

Por se tratar de um valor estimado que, na frase dita por Sartori, soa como um déficit que teria sido registrado na prática, a afirmação foi classificada como ‘sem contexto’. O governador não especifica em sua fala que o dados citados eram uma projeção, deixando espaço para uma interpretação imprecisa. Além disto, como demonstra o gráfico acima, entre 2015 e 2018 o déficit projetado foi sempre superior do que aquele registrado no fim das contas.

A assessoria de campanha do candidato foi comunicada sobre o selo atribuído à frase, mas optou por não se manifestar.

*Este conteúdo foi produzido por Bruna Bertoldi, Camila Tempas, Karina Verona, Lidiane Menezes e Matheus Klassman como resultado de uma oficina do FiltroLab realizada na disciplina Beta Redação – Política, do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Relacionados