Nossa metodologia

Ficaremos atentos às declarações de candidatos e outras figuras públicas de grande influência social. Vamos ficar de olho ainda em correntes com grande circulação em mídias sociais e aplicativos de troca de mensagens.

O ponto de corte é o quanto aquela informação está repercutindo na vida de quem vive no Rio Grande do Sul.

É fundamental que a declaração selecionada seja checável, isto é: que existam elementos que permitam classificar o grau de veracidade daquela informação.

Frases que apresentam números, comparações ou declarações que versem sobre a legalidade de um fato ou dados históricos são potencialmente verificáveis. Opiniões pessoais e projeções para o futuro, não.

 

Nossa metodologia de checagem envolve cinco etapas:

Contato com o locutor – o primeiro passo será entrar em contato com a pessoa que proferiu a declaração a ser verificada, diretamente ou por meio de assessoria de imprensa, para que ela possa informar que fontes fundamentaram sua declaração.

Levantamento de referências – paralelamente, buscaremos juntar o que já foi publicado sobre o assunto na imprensa, em documentos oficiais, artigos acadêmicos e outras referências, a fim de identificar fontes confiáveis.

Pesquisa em bancos de dados – a partir das pistas obtidas no levantamento inicial, buscaremos os dados necessários à verificação em arquivos públicos ou via lei de acesso à informação, se for o caso.

Consulta a especialistas – consultaremos especialistas, quando necessário, para obter esclarecimentos sobre o assunto e ajudar na interpretação dos dados.

 

Novo contato com o locutor – entraremos novamente em contato com o autor da declaração para informar nossa conclusão e possibilitar que ele se manifeste a respeito e tenha seu direito de resposta.

 

Em alguns casos, o levantamento de dados poderá exigir que o repórter vá a campo, ou seja, que ele vá conferir pessoalmente alguma situação. Nesse caso, o repórter deverá gerar provas do que presenciou, por exemplo, produzindo fotos ou vídeos que possam ser acessados pelos leitores posteriormente. Todos os dados usados para fundamentar as checagens devem estar disponíveis para consulta: esse é um princípio fundamental do fact-checking.

Seguiremos à risca nosso procedimento de verificação para evitar erros, mas entendemos que equívocos acontecem e não somos os donos da verdade. Por isso, manteremos nossa política de transparência fazendo as correções, quando necessário, de forma pública. Corrigiremos a informação equivocada no texto original e colocaremos, ao final da mesma publicação, uma nota de esclarecimento explicando o que erramos e por que erramos. A nota virá acompanhada pela data e hora da publicação da correção. Em todas as nossas publicações constará o nome e o contato do jornalista autor da checagem, para que eventuais erros possam ser comunicados.