Filtro no JC: checamos três dados citados por Roberto Robaina (PSOL)

Checamos declarações de Roberto Robaina em entrevista ao Jornal do Comércio (Foto: Divulgação)

O Jornal do Comércio, em parceria com o Filtro, analisa declarações da série de entrevistas com os candidatos ao Palácio Piratini. Toda segunda-feira, três citações do entrevistado da semana são publicadas na edição impressa. A última checagem foca a entrevista de Roberto Robaina (PSOL). 

Filtro Fact-checking

A publicação do conteúdo verificado é apresentada em categorias de acordo com a veracidade da informação, com sete diferentes selos: verdadeiro; sem contexto; discutível; exagerado; subestimado; impossível provar; e falso. A pessoa responsável pela declaração é consultada duas vezes: antes da verificação do conteúdo e ao final da checagem, estando ciente do conteúdo apurado e publicado.

“No mundo inteiro, os países tributam exportação. A Argentina tributa.”

Robaina citou a Argentina ao falar sobre tributação da exportação de produtos primários – a Lei Kandir isenta esse tipo de transação no Brasil. A resolução ministerial 11/2002, do país vizinho, estabelece a taxação de mercadorias, incluindo soja e derivados. Uma medida anunciada este ano prevê cortes de 0,5% ao mês, até o fim de 2019. O país ainda estuda extinguir o imposto, segundo o diário El Clarín, devido à queda das exportações de soja para a China – que priorizou, justamente, o produto brasileiro.

“[O setor agropecuário] é o que menos emprega na economia…”

A base do candidato é o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged). No balanço entre contratações e demissões, em números absolutos, o comércio teve o pior desempenho em junho de 2018, fechando 2.132 vagas (-0,36%), seguido pela agropecuária, que perdeu 1.857 vagas. Proporcionalmente, a queda no campo foi a maior entre as oito áreas contabilizadas (-2,16%), mas ainda há mais postos nesse setor do que em outros. Ainda, se considerada a PNAD, do IBGE, dos 10 setores categorizados, o agropecuário era o quarto com maior número de trabalhadores entre abril e junho de 2018, com 614 mil – 11% do total. Leia mais sobre este tópico

“…e, por sinal, um dos que pagam os salários mais baixos.”

A assessoria diz que Robaina se apoia na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), que indica a remuneração média em 25 subsetores. Em 2016, a agropecuária tinha o segundo menor salário no RS (R$ 1.860), à frente apenas do comércio (R$ 1.823). Dados mais recentes do IBGE indicam outro resultado: entre abril e junho de 2018, o rendimento médio em agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura foi de R$ 1.959, o quinto maior entre 10 setores. Como o candidato se refere especificamente a salário e a assessoria indica como fonte os dados sobre emprego formal, a declaração é considerada verdadeira. A estatística do IBGE leva em conta também o trabalho informal. Leia mais sobre este tópico

Atualização – selo revisado:

O selo da terceira frase – “…e, por sinal, um dos que pagam os salários mais baixos” – foi revisado após a publicação da coluna na edição impressa do Jornal do Comércio. Diante da contestação apresentada pela assessoria do candidato, a equipe do Filtro reavaliou o selo inicialmente atribuído, reclassificando a frase de “Discutível” para “Verdadeiro”, já que o candidato se refere especificamente ao emprego formal. A atualização foi feita no site do JC e divulgada aos leitores nas redes sociais do jornal e do Filtro. Uma nota informativa será adicionada também na próxima coluna do Filtro na edição impressa do jornal.

Também os números referentes ao IBGE foram atualizados em relação ao conteúdo original. Após o fechamento da coluna para a edição impressa, foram foram divulgados novos dados da PNAD Contínua, referentes ao segundo trimestre de 2018.

Confira a manifestação do candidato na íntegra:

“Quanto à segunda afirmação, o Caged é o orgão do Ministério do Trabalho que compila dados sobre os assalariados (trabalhadores com carteira assinada). Já o PNAD, do IBGE, não inclui em sua pesquisa apenas os trabalhadores com carteira assinada, mas também considera as famílias proprietárias dos estabalecimentos rurais.

Entre os principais setores da economia (Agropecuária, Indústria e Comércio e Serviços), o CAGED mostra que a Agropecuária é a que menos emprega no Rio Grande do Sul, conforme pesquisa que pode ser feita no site do Perfil dos Municípios do CAGED:

As afirmações do candidato se referem unicamente aos trabalhadores com carteira assinada, então o CAGED é a fonte precisa de consulta.

O mesmo é válido para a avaliação da terceira afirmação. Os dados do CAGED/Rais são referentes aos salários das pessoas ocupadas, enquanto os dados do IBGE se referem ao rendimento médio das pessoas ocupadas. O rendimento inclui salários e também toda e qualquer outra fonte de renda das pessoas ocupadas.

Nós nos referimos unicamente aos salários e a fonte oficial precisa para essa informação é o CAGED/Rais e não o IBGE.”

Relacionados