Exclusivo: Justiça quebra sigilos no Caso Corrupção Idepi

Ex-gestor do órgão e atual presidente do River foi um dos alvos do Ministério Público.

Por Rômulo Rocha

Publicada originalmente no dia 10/07/2017 em Portal180

A AFRONTA
– A Caxé, uma das empresas metidas no rolo, pertencente a um sobrinho do então conselheiro do TCE Sabino Paulo, processa três jornalistas do 180, inclusive o próprio portal, por conta da exposição dos fatos. Ora, as investigações estão a cargo do TCE e do Ministério Público. O ato da empreiteira depõe contra o direito constitucional do cidadão de informar e de ser informado sobre o que ocorre na REPÚBLICA. Afinal de contas, se não fosse a imprensa, como o POVO saberia desses sórdidos detalhes?


IDEPI NOVAMENTE. E ESTÁ APENAS COMEÇANDO…
O caso que desaguará no julgamento do ano do TCE, previsto para ocorrer neste mês de julho, numa espécie de férias eletrizante, também é acompanhado pelo Ministério Público, conforme foi informado ao Blog Bastidores, do 180, na manhã desta segunda-feira (10).

Lá, no âmbito cível, está sendo tocado nada mais, nada menos, por um dos mais combativos promotores do estado, Fernando Santos.

A promotoria do qual o promotor é o titular, confirmou não só o que o blog do 180 havia divulgado, mais de 40 processos investigatórios – “em 2015, instauramos procedimento preparatório para investigar irregularidades em 42 (quarenta e dois) contratos tendo por objeto a recuperação de estradas vicinais” -, como também o fato de já existir inclusive a quebra de sigilos fiscal e bancários.

O combativo promotor Fernando Santos está no caso. Ainda bem!
promotorfernando.jpg

FALA, ELIZEU, FALA…
Um dos alvos é Elizeu Aguiar, ex-presidente do IDEPI no governo Zé Filho, e foco de 33 responsabilizações advindas das tomadas de contas especial realizadas pelo Tribunal de Contas do Estado, além, claro, da investida do MPE.

Elizeu teve seus sigilos fiscal e bancário quebrados a pedido de Fernando Santos. Assim atendeu o juiz Rodrigo Allagio Ribeiro, último dia 2 de junho, portanto, recente.

PROCESSO…
Esse caso, fora do âmbito investigativo também vem ganhando novos desdobramentos. O sobrinho do conselheiro do TCE Sabino Paulo, o Gustavo Macedo, proprietário da Caxé, uma das construtoras acusadas de lesar o IDEPI no negro ano de 2014, processa três jornalistas do Portal 180, além do próprio meio de comunicação.

Alega perseguição pessoal. O 180 fala e vem falando não só do caso, mas de todas as construtoras envolvidas, gestores públicos e engenheiros.

A ação, ao que parece, visa impedir o direito constitucional do cidadão se informar e ser informado do que ocorre com o dinheiro pago através de impostos em uma República.

DE VOLTA AO TCE
Hoje foi indagado ao Tribunal de Contas do Estado se o ex-conselheiro Sabino Paulo entrou em contato com algum conselheiro da Corte para tratar em especial sobre esse caso.

MAIS QUEBRAS DE SIGILO
Blog Bastidores, do 180, já foi informado sobre a quebra do sigilo de outros envolvidos e os diversos pedidos já feitos pelo Ministério Público.


 

VEJA TAMBÉM:

– Corrupção no IDEPI: a ‘farra’ com dinheiro foi astronômica

– Corrupção no Idepi: obras eram fiscalizadas no bom senso


*Esta é uma das mais de 20 reportagens que foram alvo de censura prévia imposta pela juíza Lygia Carvalho Parentes Sampaio, do estado do Piauí, ao Portal 180. Você pode conferir a liminar no link abaixo onde ela defere o pedido de “tutela antecipada” (censura prévia) para que o portal retire do ar notícias já veiculadas sobre a empresa Caxé e seus donos e que “se abstenham de divulgar novas notícias que atinjam a honra dos autores sob pena de multa diária de R$1.000,00 seu eventual agravamento, além de incorrer nas penas de crime de desobediência à ordem judicial”.

Liminar que impõe censura prévia ao Portal 180 pode ser conferida aqui

Relacionados