Exclusivo: corrupção no IDEPI vai entrar em pauta no TCE

AÇÃO JUDICIAL
Caxé, empreiteira de Gustavo Macedo, sobrinho do ex-conselheiro do TCE Sabino Paulo, está entre as mais de 10 envolvidas na suposta fraude que teria superfaturado mais de R$ 13 milhões e superfaturaria mais se não tivesse existido denúncias, segundo se infere dos relatórios técnicos já prontos. O 180iniciou há algum tempo a cobertura do caso e já falou sobre quase todas as empreiteiras. A Caxé, no entanto, foi a única a ingressar com uma ação judicial contra três jornalistas do portal, incluindo o titular do Blog Bastidores, e o próprio portal, com uma lunática narrativa jurídica.

Por Rômulo Rocha – De Brasília

Publicada originalmente no dia 07/07/2017 em Portal180

“A MENINA DOS OLHOS”, DIZ PRESIDENTE DO TCE
O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Piauí, conselheiro Olavo Rebelo, que vem imprimindo um novo ritmo à Corte de Contas, anunciou durante entrevista exclusiva ao jornalista do 180, Daniel Silva, que um dos maiores casos de corrupção já detectados pelas autoridades públicas do Piauí deve ir a julgamento ainda este mês, já que a Corte de Contas não terá recesso.

Esse caso, segundo somatórios feitos pelo Blog Bastidores, do 180, com base nas informações que constam das milhares de páginas que tratam das mais de 30 tomadas de contas especial, teria superfaturado no mínimo R$ 13 milhões em estradas vicinais, sacados de um estado paupérrimo como o Piauí.

Segundo o Tribunal de Contas da Unão, “a Tomada de Contas Especial (TCE) é um processo administrativo devidamente formalizado, com rito próprio, para apurar responsabilidade por ocorrência de dano à administração pública federal, com apuração de fatos, quantificação do dano, identificação dos responsáveis e obter o respectivo ressarcimento”.

Na entrevista ao jornalista do portal, Olavo Rebelo disse que “o processo está em fase de votação” e que ele “está com o conselheiro Delano Câmara”. Sendo assim, “como está em fase de votação, só podemos nos manifestar lá no dia”.

“Mas posso dizer que o Tribunal fez a sua parte, fez várias tomadas de contas, o setor técnico se debruçou sobre esse assunto e igual a imprensa estamos ansiosos pelo resultado final, porque está na linha do nosso pensamento e foco de gestão, que é combate às fraudes”, declarou.

JULGAMENTODOANOTCE.png

Em outro trecho da sua entrevista, Olavo Rebelo classificou o super caso como “a menina dos olhos do Tribunal”. E disse esperar que “o resultado seja em benefício da sociedade”.

“Cremos que até final de julho o processo vá a julgamento. Como não temos recesso, poderemos concluir essa matéria”, pontuou.

JULGAMENTO HISTÓRICO
Esse julgamento tem algo singular. Dentre as mais de dez empreiteiras acusadas de ajudar a saquear o erário, encontra-se a de um notório, que vem a ser o sobrinho de um ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Gustavo Macedo, proprietário da empreiteira Caxé. Os relatórios apresentados pelos técnicos do TCE não lhe são muito favoráveis. Eles ainda não foram expostos na mídia.

Gustavo já trabalhou inclusive na Corte de Contas, sabe os procedimentos do Tribunal e agora se vê na iminência de ser julgado por ele. A família do empreiteiro já possui um condenado à prisão no âmbito da Justiça Federal, o tio ex-deputado estadual Roncali Paulo.

Recentemente, em um ato cuja justificativa apresenta-se lunática, Gustavo Macedo ingressou com uma ação contra a ex-editora-chefe do 180, Apoliana Oliveira; o jornalista, advogado e contador Aquiles Nairó, o ‘índio’, exímio em levantamento de informações; o próprio 180graus, e de quebra contra o titular do Blog Bastidores – espaço que pertence ao mesmo portal.

Contra o responsável pelo blog, a advogada de Gustavo, diante de uma narrativa jurídica espantosa, atribui perseguição pessoal, e chega ao ponto de expor uma então amiga de infância do jornalista, que segundo a peça jurídica, manteve um relacionamento amoroso com o profissional imprensa em tempos bem longínquos , mas que hoje é mulher do sobrinho do ex-conselheiro.

Isso, impressionantemente, está no corpo de uma petição inicial já judicializada, perdida no meio do que realmente se pretende discutir, que é o negro ano de 2014 no IDEPI.


*Esta é uma das mais de 20 reportagens que foram alvo de censura prévia imposta pela juíza Lygia Carvalho Parentes Sampaio, do estado do Piauí, ao Portal 180. Você pode conferir a liminar no link abaixo onde ela defere o pedido de “tutela antecipada” (censura prévia) para que o portal retire do ar notícias já veiculadas sobre a empresa Caxé e seus donos e que “se abstenham de divulgar novas notícias que atinjam a honra dos autores sob pena de multa diária de R$1.000,00 seu eventual agravamento, além de incorrer nas penas de crime de desobediência à ordem judicial”.

Liminar que impõe censura prévia ao Portal 180 pode ser conferida aqui

Relacionados