Eduardo Leite (PSDB) acerta peso da folha de pagamento nas receitas gaúchas

Equilíbrio das finanças é um dos desafios do governo (Foto: Alex Rocha/Palácio Piratini)

Em entrevista para o Jornal do Comércio, publicada na edição impressa de 10 de setembro, Eduardo Leite (PSDB) voltou a falar sobre o equilíbrio das finanças do estado que pretende governar. Segundo o tucano, 80% da receita do Rio Grande do Sul é consumida pela folha de pagamento e encargos sociais.

Taís Seibt, do Filtro Fact-checking

O Truco nos Estados – projeto de checagem de fatos da Agência Pública, feito no RS em parceria com o Filtro Fact-checking – confirmou o dado citado pelo candidato do PSDB.

“Na questão da despesa, 80% da nossa receita é consumida por folha de pagamento e encargos sociais”.

De acordo com a assessoria, a fonte de Eduardo Leite é o Relatório Resumido de Execução Orçamentária (RREO) do sexto bimestre de 2017. O documento é da Secretaria do Tesouro Nacional. Segundo esse balanço, o governo gaúcho gastou 78% de sua receita total com pessoal e encargos sociais – é o maior índice do país, empatado com o Rio Grande do Norte.

O relatório congrega as informações da execução orçamentária de todos os poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, incluindo também o Ministério Público e a Defensoria Pública, e contempla as esferas Federal, Estadual, Distrital e Municipal. O RREO do sexto bimestre leva em conta o mês em referência e os onze anteriores, “utilizando nos indicadores a RCL (receita corrente líquida) referente ao somatório dos meses de janeiro a dezembro de 2017”.

Composição das despesas em relação à Receita Total (Fonte: REEO 6º bimestre de 2017 – STN)

No segundo bimestre de 2018, versão mais recente do boletim, houve uma pequena variação para 76%. O RS continua no topo do ranking de gastos com pessoal e encargos sociais sobre a receita total, porém não há dados consolidados do Paraná, Rio Grande do Norte, Roraima e Tocantins.

Composição das despesas em relação à Receita Total (Fonte: REEO 2º bimestre de 2018 – STN)

Como dados arredondados são classificados pelo Truco nos Estados como verdadeiros, a frase de Eduardo Leite está correta. Os gastos com pessoal e encargos sociais consomem quase 80% da receita corrente líquida gaúcha, que fechou o ano de 2017 em R$ 35 bilhões.

De acordo com o Boletim Informativo de Pessoal divulgado pela Fazenda estadual com dados consolidados até dezembro de 2017, a despesa com pessoal e encargos somou cerca de R$ 26 bilhões no ano passado – a proporção fecha em 74% da receita, um pouco abaixo do observado no relatório do Tesouro Nacional.

Relacionados