Desembargador voltou atrás em decisão que mandou pagar a CAXÉ

O desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí, Edvaldo Moura, esclareceu que, embora tenha decidido em caráter liminar que o Instituto de Desenvolvimento do Piauí (IDEPI) pagasse um valor milionário à construtora CAXÉ, ele voltou atrás em sua decisão 23 dias depois, próximo ao Natal de 2015.

Por Rômulo Rocha – De São Raimundo Nonato

Publicada originalmente no dia 24/05/2016 em Portal180

A mudança de posição ocorreu após o Estado do Piauí interpor agravo regimental, o que fez com que o membro do TJ revogasse a sua própria decisão a tempo de evitar qualquer pagamento à empreiteira, segundo ele.

A Caxé cobra um valor milionário do IDEPI, por supostos serviços em obras de estradas vicinais. Mas é alvo, junto com outras empresas, de uma tomada de contas especial por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

– Veja a matéria completa com a posição do desembargador.


*Esta é uma das mais de 20 reportagens que foram alvo de censura prévia imposta pela juíza Lygia Carvalho Parentes Sampaio, do estado do Piauí, ao Portal 180. Você pode conferir a liminar no link abaixo onde ela defere o pedido de “tutela antecipada” (censura prévia) para que o portal retire do ar notícias já veiculadas sobre a empresa Caxé e seus donos e que “se abstenham de divulgar novas notícias que atinjam a honra dos autores sob pena de multa diária de R$1.000,00 seu eventual agravamento, além de incorrer nas penas de crime de desobediência à ordem judicial”.

Liminar que impõe censura prévia ao Portal 180 pode ser conferida aqui

Relacionados