De 7 a 14 de agosto, a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) promove uma série de entrevistas com os candidatos ao governo do Rio Grande do Sul no salão nobre da ARI, centro histórico de Porto Alegre. A equipe do Filtro Fact-checking acompanha as entrevistas para verificar a precisão de dados citados pelos concorrentes ao Piratini.

Taís Seibt, do Filtro Fact-checking

A eleição de 2018 será a primeira do Partido Novo e de seu candidato ao governo do Estado do Rio Grande do Sul, Mateus Bandeira. A sigla aposta em quadros técnicos e de perfil liberal, como a de Bandeira, que foi servidor público da Fazenda Estadual durante governos de diferentes partidos, assumindo funções de confiança nos governos de Alceu Collares (PDT), Antonio Britto (na época PMDB) e Yeda Crusius (PSDB), quando chegou ao posto máximo da pasta, de Secretário da Fazenda.

*Por Anelise Dias, Claiton Silva, Daniela Pin Menegazzo, João Henrique Bosco, Leila Silveira, Maricélia Pinheiro, Pedro Pereira

Atualmente exercendo o cargo de vereador em Porto Alegre, Roberto Robaina, do PSOL, disputa a eleição ao governo do Rio Grande do Sul pela terceira vez em sua carreira política. Antes, concorreu em 2006, sendo o primeiro nome a representar o partido, então recém criado, no pleito estadual. Voltou à corrida pelo Piratini em 2014. Nas duas ocasiões terminou a disputa em quinto lugar. Em 2010, tentou uma vaga na Assembleia Legislativa, e em 2012, lançou-se à prefeitura de Porto Alegre, não sendo bem sucedido em ambas.

Por Naira Hofmeister e Taís Seibt — Filtro Fact-checking