Estudantes de jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) verificam discursos de pré-candidatos ao governo do Rio Grande do Sul no curso de extensão “Laboratório de Fact-checking”, que encerrou suas atividades presenciais no dia 5 de maio. As checagens serão posteriormente publicadas no site do Filtro Fact-checking, iniciativa local de verificação de fatos recém lançada pela ONG Pensamento.org.

Por Equipe Filtro Fact-Checking
Projeto de checagens da Pensamento.org

Não fazíamos ideia de que chegaríamos até aqui, mas 2017 foi um ano muito importante para a Pensamento.org. Se começamos de forma tímida, colocando nosso site no ar ali por março, no segundo semestre publicamos matérias relevantes, uma dúzia de documentários, republicamos 17 reportagens censuradas, lançamos uma campanha nacional para combater os censores e editamos duas revistas – uma delas premiada em dezembro.

Abaixo, os nossos melhores momentos.

Por Tiago Lobo
Publisher da Pensamento.org

A Itália faz o que o Brasil nunca fez: botou no banco dos réus os militares brasileiros envolvidos com a Operação Condor, a multinacional repressiva que nos anos 1970 coordenou a caçada a dissidentes no Cone Sul do continente, dominado na época pelos generais das ditaduras que assolavam a região.

Nesta quarta-feira, 29, o papel criminoso do Brasil, membro ilustre da Condor, está sob investigação na Itália, na sala principal da 1a Corte Penal do Tribunal de Roma, que julga três coronéis do Exército brasileiro e um delegado do DOPS envolvidos no desaparecimento de um argentino, Lorenzo Viñas, sequestrado e desaparecido em solo brasileiro desde 1980.

Por Luiz Cláudio Cunha
Jornalista e autor de Operação Condor: o Sequestro dos Uruguaios (Ed. L&PM, 2008)

Publicado também em Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim.


Na quarta-feira, 29, a Itália fará o que o Brasil não fez. Teremos em Roma a última chance de condenar algum brasileiro nos crimes da Operação Condor. A Corte Romana julgará três agentes da repressão brasileira, todos gaúchos, envolvidos no desaparecimento do ítalo-argentino Lorenzo Vinãs Gigli, desaparecido em Uruguaiana (RS) em 26 de junho de 1980.

No relatório final da Comissão Nacional da Verdade, o nome de Viñas aparece entre as vítimas da repressão brasileira. Mas até hoje ninguém foi punido pelo Brasil.

Acusados de homicídio doloso, caso sejam condenados pelos Italianos, agentes da ditadura poderão ser condenados à prisão perpétua.

A chamada Operação Condor foi uma rede de repressão político-militar e troca de prisioneiros formada pelos serviços de inteligência das ditaduras do Cone Sul (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai), com os serviços secretos dos Estados Unidos, que perdurou pelas décadas de 1970 e 1980.